Você está aqui: Página Inicial > Releases > Servidor de carreira do Banco Central, Esteves Colnago toma posse como novo ministro do Planejamento

Notícias

Servidor de carreira do Banco Central, Esteves Colnago toma posse como novo ministro do Planejamento

Secretário-executivo da gestão anterior reforça, na transmissão do cargo, a continuidade na implementação da política econômica
publicado:  10/04/2018 22h05, última modificação:  12/04/2018 12h32

Em cerimônia na tarde de hoje (10) no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer deu posse ao novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento Gestão, Esteves Colnago, que substitui Dyogo Oliveira, empossado na véspera como presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Acesse o Discurso de Posse do Ministro Esteves Colnago

Durante a solenidade, o presidente afirmou que as mudanças alteram a composição do Governo, mas não a qualidade da equipe. Lembrou que o Governo tem trabalhado a toda velocidade nas mais diversas frentes, sobretudo para recuperar a credibilidade das contas públicas e retomar o crescimento sustentado. “Hoje o país tem bases firmes, rumo ao crescimento e à geração de emprego e renda”, assegurou.

Foto: Hoana Gonçalves - Ascom/MP

Temer agradeceu a contribuição de Dyogo Oliveira pelo tempo que ocupou o cargo de ministro do Planejamento, com a certeza de que o trabalho terá continuidade na gestão de Colnago: “Esteves é um reconhecido especialista em administração pública, em contas públicas. Por isso, temos certeza de que desempenhará com imensa competência essa nova missão”, disse o presidente em seu discurso.

CONTINUIDADE

Logo após a solenidade de posse, Esteves Colnago e Dyogo Oliveira participaram da cerimônia de transmissão de cargo na sede do Planejamento. Ao assumir o Ministério, Colnago reforçou o caráter de continuidade da gestão. Confira o discurso.

Em seu discurso, mostrou a convicção de que o desafio não é pequeno, com uma economia em recuperação e situação fiscal que requer atenção. Daí a necessidade de manter as medidas necessárias para virar a página da crise e criar as condições para que o Estado volte a ser sustentável. ”Muitas dessas medidas são tidas como duras, mas é preciso perseverar nesse caminho”, assegurou.

Foto: Hoana Gonçalves - Ascom/MP

Ele lembrou que tem consciência de que os órgãos púbicos precisam ter melhor definição de prioridade. “Com o teto do gasto não há como comportar obrigações com o uso de novas receitas. É preciso repensá-las e, em alguns casos, repriorizá-las”, afirmou, defendendo um “orçamento mais gerenciável”, sem o que diagnosticou como excesso de vinculações de receita e de despesas obrigatórias.

A força de trabalho também está entre as prioridades do novo ministro. “Hoje convivemos com mais de 300 carreiras, que têm tabelas de progressão e de remuneração absolutamente distintas, destoantes da iniciativa privada e com enormes amarras para transitar dentro do próprio Governo”.

PLANO PARA 12 ANOS

O novo ministro acredita que o Estado precisa voltar a se planejar, a traçar metas e a construir meios para alcançá-las. Para isso, será elaborado um Plano Estratégico para os próximos 12 anos.

O Ministério do Planejamento, em parceria com o BNDES, o IPEA e o IBGE, vai elaborar uma proposta, a ser submetida à consulta pública, para que se discuta o Brasil que se almeja em 2030, bem como, os caminhos para alcançá-lo.

“Precisamos sair desta armadilha de estarmos sempre ‘apagando incêndios’”, opinou Colnago. “É preciso pensar o longo prazo, nos desafiar e acreditar que podemos alcançar os objetivos traçados”, finalizou.

O NOVO MINISTRO

Colnago é mestre em Ciências Econômicas pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em contabilidade pública, exerceu no ministério as funções de Diretor de Programa e Secretário-Executivo Adjunto.

Na Secretaria do Tesouro Nacional, desempenhou função de Analista de Finanças e Controle. Esteves é Analista do Banco Central do Brasil desde 1998.

Acesse o currículo completo do novo ministro aqui.