Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Saque das contas inativas do FGTS terá impacto de 0,61 p.p no PIB de 2017

Notícias

Saque das contas inativas do FGTS terá impacto de 0,61 p.p no PIB de 2017

Medida liberou R$ 44 bilhões na economia e beneficiou 26 milhões de trabalhadores
publicado:  09/08/2017 13h50, última modificação:  09/08/2017 13h50

O volume de saques do FGTS superou as expectativas iniciais do governo, com a liberação de 88% do valor potencial reajustado para R$ 49,9 bilhões. Estudo realizado pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, que estima o impacto na economia dos recursos liberados pelo FGTS, observou que no período houve redução da inadimplência, diminuição do endividamento e do comprometimento de renda, além de aumento da confiança do consumidor e do comércio.

A liberação dos saques das contas inativas fez parte de um conjunto de ações promovidas pela equipe econômica para alavancar a economia do país. Essa, em especial, afetou diretamente a vida do trabalhador brasileiro, permitindo que aqueles que tivessem contas inativas até 31 de dezembro de 2015 pudessem sacar seus saldos – sem a exigência de aguardar três anos fora do mercado de trabalho formal.                  

O pagamento das contas obedeceu um calendário de acordo com o mês de nascimento do trabalhador, o qual se encerrou em 31 de julho. A medida, que liberou R$ 44 bilhões na economia e beneficiou 26 milhões de trabalhadores, vem gerando um impacto positivo sobre o PIB, que pode alcançar 0,61 p.p.

Os trabalhadores diminuíram suas dívidas e conseguiram consumir mais. Pesquisas, como do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), verificaram que muitas famílias usaram os recursos sacados do FGTS para pagarem suas dívidas, saírem da inadimplência e voltarem a consumir. O reflexo no consumo foi verificado por indicadores do comércio varejista, como o volume de vendas de supermercados da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), o volume de vendas de celulares da Associação Brasileira da Indústria de Eletroeletrônicos (ABINEE) e o licenciamento de veículos (FENABRAVE).

“O importante é que essa medida beneficiou milhões de trabalhadores, permitindo-os acessar um recurso que, na verdade, é dele e usar livremente conforme sua decisão”, disse o secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos do ministério do Planejamento, Marcos Ferrari. “O que vimos é que esses recursos ajudaram a reduzir o grau de endividamento das famílias e, ao mesmo tempo, contribuir com a melhoria do nível de atividade, principalmente via comércio, conforme apontam vários indicadores, disse.

A Medida Provisória nº 763 foi editada em dezembro do ano passado e foi uma das medidas anunciadas para estimular o crescimento da economia. Em maio de 2017, ela foi convertida na Lei nº 13.446/2017.