Você está aqui: Página Inicial > Releases > Resultado das empresas estatais sobe 44,8% no ano

Notícias

Resultado das empresas estatais sobe 44,8% no ano

Lucro apresentado pelos cinco maiores grupos passou de R$ 10,4 bilhões para R$ 15,1 bilhões
publicado:  21/06/2018 15h28, última modificação:  21/06/2018 15h53

Os cinco maiores grupos das empresas estatais (Petrobras, Eletrobras, BNDES, Banco do Brasil e Caixa), que representam 90% do total de ativos do setor, apresentaram lucro de R$ 15,1 bilhões nos primeiros três meses de 2018, com alta de 44,8% sobre os R$ 10,4 bilhões observados no mesmo período de 2017. Os dados constam do 6º Boletim das Estatais Federais, divulgado nesta quinta-feira (21), pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) e demonstram que os resultados das empresas estatais federais continuam evoluindo positivamente, tendo em vista os esforços para a melhoria da governança e reestruturação das empresas.

A publicação também traz dados referentes à redução do quadro de pessoal das estatais. O total de empregados é de 500.967 pessoas, o que representa queda de 0,7% em relação à dezembro/2017 e 8,9% em relação ao fechamento do ano de 2015, quando as empresas apresentavam um número total de 550.208 empregados. Em números absolutos, as maiores reduções foram no setor financeiro com menos 25.240, na Petrobras (-15.516), Eletrobras (- 629) e de demais empresas do setor produtivo (- 16.749). Grande parte deste quantitativo resultou da implementação de Programas de Desligamento Voluntário.

O nível de endividamento das empresas está abaixo dos R$ 400 bilhões, pela primeira vez desde 2014, chegando a R$ 390 bilhões ante R$ 412 bilhões em 2017. Os números mostram uma redução de 28,3% entre dezembro de 2015 (R$ 544 bilhões) e março de 2018.

O Secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento (SEST/MP), Fernando Antônio Ribeiro Soares, destaca que o Programa de Dispêndios Globais - PDG das estatais federais pode ser comparado ao Orçamento Geral da União (OGU), que para 2018 é da ordem de R$ 1,7 trilhão. “É muito dinheiro alocado nas estatais e é relevante que a sociedade olhe cada vez com mais atenção. O retorno tem que aumentar, com maior redução de custos, aumento de produtividade e realizações para a sociedade”, destacou Fernando Soares.

Atualmente, existem 144 estatais federais. Em relação ao último trimestre de 2017, duas estatais deixaram de existir. E desde que o boletim começou a ser divulgado, em 2016, houve uma redução de 10 empresas. Naquele ano haviam 154 empresas.