Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Rede Federal de Inovação abre portas para novos setores

Notícias

Rede Federal de Inovação abre portas para novos setores

Criada em 2016, a Rede já conta com a participação de 49 instituições públicas
publicado:  17/05/2017 15h24, última modificação:  17/05/2017 15h24

Representantes do setor privado, academia e sociedade civil já podem participar da Rede Federal de Inovação (Rede Inovagov). A proposta é promover a colaboração direta desses setores para o desenvolvimento de projetos voltados à inovação no setor público. A ampliação da Rede será celebrada no dia 25 de maio, no evento “Inovação Aberta”, a ser realizado em Brasília, no Instituto Serzedello Corrêa (ISC /TCU), a partir das 9h.

 “Buscar soluções conjuntas para o desenvolvimento de práticas inovadoras no setor público é um caminho sustentável para alcançar resultados mais efetivos na gestão de políticas públicas”, diz Gleisson Rubin, secretário de Gestão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP).

 Qualquer cidadão poderá participar do encontro, que está com inscrições abertas. No evento, os participantes conhecerão a experiência com inovação de diversos especialistas, como Brenton Caffin (Fundação de Inovação do Reino Unido - Nesta), e poderão participar de oficinas sobre temas como capacitação de servidores públicos em análise de dados, introdução às ferramentas práticas de inovação social e Design Thinking (conjunto de métodos e processos para abordar problemas e propor soluções).

 A iniciativa está sendo organizada pelo Ministério do Planejamento, Tribunal de Contas da União (TCU), Conselho da Justiça Federal e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

 Rede InovaGov

 Os primeiros passos para o desenvolvimento da Rede foram dados em janeiro de 2016. Desde então, 49 instituições públicas, cinco instituições privadas e uma instituição do terceiro setor estão envolvidas em discussões sobre projetos comuns. A proposta é trocar experiências entre os participantes, buscar soluções conjuntas para desafios e problemas compartilhados, inclusive mediante revisões normativas junto à sociedade, academia e setor privado.

 Órgãos federais interessados em aderir à Rede devem consultar o Acordo de Cooperação Técnica  e regulamento . Já empresas, organizações acadêmicas e Organizações da Sociedade Civil devem solicitar adesão por meio de formulário específico.