Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Projetos da IIRSA ligados à Região norte são de cerca de US$ 14 bilhões

Projetos da IIRSA ligados à Região norte são de cerca de US$ 14 bilhões

publicado:  09/06/2006 09h00, última modificação:  02/06/2015 19h21

Brasília, 9/6/2006 - A reunião da IIRSA (Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura Sul-Americana) que será realizada nesta segunda-feira (12) em Manaus vai discutir a visão estratégica da integração física sul-americana no que diz respeito aos Eixos eixos do Amazonas, do Escudo Guayanés e Peru-Brasil-Bolívia, para onde estão previstos investimentos da ordem de US$ 2,01 bilhões, US$ 365 milhões e US$ 11,58 bilhões, respectivamente.

Projetos da IIRSA que tem ligação com os estados da Região Norte

Eixo de Integração e Desenvolvimento

Nº de Grupos

Quantidade de Projetos

%

Investimento Estimado (milhões de US$)

%

Do Amazonas

6

44

13,13

2.010,95

5,37

Do Escudo Guayanés

4

32

9,55

365,87

0,98

Peru-Brasil-Bolívia

3

18

5,37

11.587,60

30,46

TOTAL

13

94

28,05

13.964,42

36,81

Outros detalhes técnicos sobre a carteira de investimentos podem ser obtidos no seguinte endereço: http://www.planejamento.gov.br/arquivos_down/spi/iirsa/Secao_V.pdf

Os eixos a serem debatidos na oficina de Manaus apresentam as seguintes características:

Eixo do Amazonas

O Eixo do Amazonas corresponde a uma faixa de centenas de quilômetros ao longo do sistema multimodal de transporte que interconecta portos do Pacífico, tais como Tumaco, na Colômbia, Esmeraldas, no Equador, e Paita, no Peru, com os portos brasileiros de Manaus, Belém e Macapá. O objetivo é a união bi-oceânica através dos rios Huallaga, Marañón, Ucayali e Amazonas, no Peru, Putumayo e Napo, no Equador, Putumayo, na Colômbia, e Iça, Solimões e Amazonas, no Brasil, com seus mais de 6.000 km de vias navegáveis, e os portos fluviais de El Carmen, na fronteira entre Equador e Colômbia, Gueppi, na Colômbia, e Sarameriza e Yurimaguas, no Peru. Sua área de influência por jurisdição abrange uma superfície estimada de 4.499.152 km2. e conta com um Produto Interno Bruto estimado de US$ 93 bilhões. Sua população supera 52 milhões de habitantes. Os principais centros urbanos ou de interesse logístico são os seguintes: Na Colômbia: Tumaco, Pasto, Mocoa, Gueppi, El Encanto, Arica e Letícia; No Equador: Esmeraldas, Quito e Puerto El Carmen; No Peru: Paita, Piura, Olmos, Corral Quemado, Sarameriza, Tarapoto, Yurimaguas, Nauta e Iquitos; No Brasil: Tabatinga, Manaus, Itacoatiara, Santarém, Macapá e Belém. Ver mais detalhes técnicos sobre o eixo no arquivo PDF disponível no endereço abaixo: http://www.planejamento.gov.br/arquivos_down/spi/iirsa/Secao_IV_03Amazonas.pdf.

Eixo do Escudo Guayanés

O Eixo do Escudo Guayanés (Venezuela-Brasil-Guiana-Suriname abrange a Região Oriental da Venezuela (estados Sucre, Anzoátegui, Monagas, Delta Amacuro e Bolívar), o arco norte do Brasil (estados do Amapá e Roraima) e a totalidade dos territórios da Guiana e Suriname. Sua área de influência apresenta uma superfície total estimada de 2.699.000 km2. Sua população alcança os 21 milhões de habitantes.. Os principais centros urbanos e suas respectivas populações incluem: Manaus (1.600.000), Caracas (5.000.000), Macapá (282.000), Georgetown (350.000), Paramaribo (218.000), Boa Vista (230.000), Ciudad Guayana (800.000), Cayenne (150.000), Ciudad Bolívar (400.000). Na área econômica Estima-se um Produto Interno Bruto associado à área de influência do Eixo de cerca de US$ 24 bilhões. Na área econômica destaca se a importância do setor industrial e de serviços da estrutura produtiva do Eixo, bem como o aporte relevante efetuado pela região oriental da Venezuela e norte-oriental do estado do Amazonas Ver mais detalhes técnicos sobre o eixo no arquivo PDF disponível no seguinte endereço:
http://www.planejamento.gov.br/arquivos_down/spi/iirsa/Secao_IV_04Guayanes.pdf

Eixo Peru-Brasil-Bolívia

O Eixo Peru-Brasil-Bolívia é também o Eixo transversal que abrange sete departamentos da Macro-região Sul Peru (Tacna, Moquegua, Arequipa, Apurimac, Cusco, Puno e Madre de Dios), dois departamentos amazônicos da Bolívia (Pando e Beni) e quatro estados do noroeste do Brasil (Acre, Rondônia, Amazonas e Mato Grosso), assim como se ilustra a seguir: Tem uma superfície estimada de 3,5 milhões de km2, dos quais 82% correspondem ao território brasileiro, 10% ao peruano e os 8% restantes ao boliviano. O Eixo apresenta uma população de 12,3 milhões de habitantes, com uma densidade populacional media de 3,53 hab/km2; 68% de sua população é urbana; registrou uma taxa anual de crescimento populacional de 2,34% durante os últimos 10 anos. Os principais centros urbanos do Eixo são: No Peru: Arequipa (709.700 hab.), Cuzco (300.800 hab.), Puno-Juliaca (294.000 hab.), Tacna (220.000 hab.), Moquegua (48.900 hab.) e Puerto Maldonado (35.600 hab.). Localidades de fronteira: Iñapari (1.300 hab.), Iberia (4.600 hab.), San Lorenzo, Puerto Heath. No Brasil: Rio Branco (253.600 hab.), Porto Velho (334.700 hab.), Manaus (1.405.800 hab.) e Cuiabá (483.300 hab.). Localidades de fronteira: Assis (3.500 hab.), Brasileia (17.013 hab.), Guajará-mirim. Na Bolívia: Cobija (20.800 hab.), Trinidad (63.128 hab.), Riberalta (43.454 hab.). Localidades de fronteira: Bolpebra (180 hab.), Porvenir (700 hab.), Extrema (50 hab.), Guayaramerín (33.100 hab.). Quanto à economia, o Eixo Peru-Brasil-Bolívia tem Produto Interno Bruto estimado em cerca de US$ 30.825 milhões. Ver mais detalhes técnicos sobre o eixo no arquivo PDF disponível no seguinte endereço: http://www.planejamento.gov.br/arquivos_down/spi/iirsa/Secao_IV_08%20PBB.pdf

O Secretário de Planejamento e Investimentos Estratégicos do Ministério do Planejamento, Ariel Pares, estará em Manaus, na segunda-feira, participando do seminário. Ele tem outras informações sobre o assunto e estará disponível para entrevistas à imprensa.