Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Projeto do Ministério é apresentado em conferência do MIT

Projeto do Ministério é apresentado em conferência do MIT

publicado:  13/11/2006 06h00, última modificação:  02/06/2015 19h21

Brasília, 13/11/2006 - O projeto de Gestão da Qualidade do Censo Previdenciário, desenvolvido para os Ministérios do Planejamento e da Previdência Social, foi apresentado neste final de semana na 11º Conferência Internacional sobre Qualidade da Informação Massachusetts Institute of Technology (MIT).

A iniciativa conta com a participação do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social.

O projeto é um dos cerca de 40 trabalhos escolhidos pelo MIT no mundo inteiro para participar da conferência que terá apenas dois representantes da América Latina, ambos brasileiros.

Os demais projetos participantes são principalmente da Europa e da América do Norte. Localizado em Cambridge, nos Estados Unidos, o MIT é reconhecido como o centro mais avançado no mundo em pesquisa em qualidade da informação.

A iniciativa que foi apresentada em Cambridge por representantes da empresa GoDigital, que desenvolveu o sistema, mostrará os resultados obtidos com o projeto desenvolvido pelo Governo Brasileiro na identificação de indícios de fraudes nos sistemas da Previdência Social, especialmente os referentes ao pagamento indevido de benefícios.

O projeto foi iniciado em janeiro deste ano e qualificou os registros da primeira etapa do Censo Previdenciário, realizada pelos bancos entre novembro do ano passado e maio deste ano. Foram utilizadas informações de óbitos e da base do Cadastro de Pessoa Física.

Dos 2,4 milhões de registros verificados da primeira etapa do Censo, foi identificado um percentual de óbitos em potencial de 0,33%, que representa um universo de 6.640 benefícios. As ferramentas tradicionais também foram aplicadas nessa mesma base e detectaram um índice de óbitos inferior a 0,28%.

O cruzamento da base também mostrou a ocorrência de 0,58% de homens cadastrados indevidamente como mulheres em um universo de 11 mil pessoas. Essa situação pode significar a concessão indevida de aposentadorias, tendo em vista que as mulheres se aposentam cinco anos antes que os homens. Verificação que até então nunca havia sido realizada.

O secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna, salientou que os indícios de problemas identificados estão em análise na área de auditoria do INSS e os benefícios serão cessados somente depois de confirmadas as irregularidades. Ele salientou que a iniciativa qualifica a relação do INSS com o setor bancário, já que permite monitorar a qualidade dos dados do censo previdenciário informados pelos bancos.

A mensuração da qualidade feita pelo INSS dos dados anteriores ao último censo previdenciário tinha nota 7, enquanto os dados que retornaram do último recadastramento após passarem pelo processo de qualificação, obtiveram a nota 8,9.

O trabalho de qualificação dos cadastros no Ministério da Previdência terá seqüência, nos próximos meses, com a melhoria dos dados da segunda etapa do Censo Previdenciário que já começou a ser feita.

O governo também utilizará a ferramenta para a qualificação de informações sobre beneficiários da Previdência Social que não foram público-alvo do Censo Previdenciário, como pessoas beneficiadas com licença maternidade e os benefícios por doença. A intenção é qualificar prioritariamente os dados sobre benefícios de maior valor.

Ferramenta

A gerente de Gestão Corporativa da SLTI, Nazaré Bretas, explica que o Projeto para a Qualificação dos Cadastros sociais do Governo utiliza um software de gestão de qualidade de dados que permite limpar e padronizar os cadastros a partir de informações dos beneficiários como nome, data de nascimento, nome de pai e mãe e número de documento de identificação.

Uma das inovações da ferramenta, desenvolvida pela Empresa GoDigital, é a capacidade de reconhecer se houve inversão de números no preenchimento de documentos de identificação do beneficiário. Também é capaz de identificar duplicidades de registros e reconhecer irregularidades com um grau superior em relação às ferramentas que vinham sendo utilizadas pelo governo até então.

O novo software reconhece, por exemplo, a existência de dois cadastros para uma única pessoa que possui um registro com o nome completo e outro com apenas o prenome e o último sobrenome. Ou no caso de uma mulher que se registrou no sistema com o nome de solteira e, depois, com o nome de casada.

As rotinas atuais têm limitação para tratar tais situações que abrem brechas para que, eventualmente, uma pessoa receba duas vezes o mesmo benefício.

Cadastros do Governo

Conforme o secretário Rogério Santanna, a iniciativa mostra um potencial muito grande na melhoria das bases de dados do Governo em geral, sobretudo em bases cujo recadastramento é muito oneroso. Isso nos permite descobrir as fragilidades das ferramentas tradicionais, permitindo que incorporemos outros batimentos ainda não realizados. "Esse é um procedimento que seguramente pode ser estendido a outras bases de dados do governo, como na área de recursos humanos", exemplificou.