Você está aqui: Página Inicial > Releases > Planejamento divulga quarto boletim de investimentos chineses no Brasil

Notícias

Planejamento divulga quarto boletim de investimentos chineses no Brasil

Documento aponta a diversificação da aplicação de capital chinês no País
publicado:  09/05/2018 12h18, última modificação:  09/05/2018 15h11

A quarta edição do Boletim sobre Investimentos Chineses no Brasil, lançado nesta quarta-feira (09) pelo Ministério do Planejamento, traz como destaque seis projetos multilaterais e ressalta que três destes projetos tiveram aplicações financeiras que totalizaram US$ 992,7 milhões.

O Boletim reúne ações do setor de Petróleo e Gás; Máquinas e Equipamentos; Educação; e  Comércio e Varejo.

Acesse o Boletim na íntegra

Entre anunciados e confirmados, a China integrou 262 projetos no Brasil no período entre 2003 e 2018 com valores totais de US$ 126,7 bilhões.  Os dados apontam que entre janeiro e abril deste ano o número de projetos confirmados cresceu em comparação ao mesmo período do ano anterior.  

O documento apresenta a concentração do estoque dos investimentos chineses no Brasil, nota-se um aumento da diversificação dos investimentos em variadas áreas, incluindo a participação de investimentos de empresas privadas chinesas.

“Esperamos que os investimentos sejam em projetos greenfield, que tragam novas tecnologias, sejam diversificados e voltados para exportação”, comenta o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento (Seain/MP), Jorge Arbache.

Como oportunidade de inovação, será liberada a versão em inglês do Boletim, dentro de poucos dias.

FUNDO BRASIL-CHINA

A edição também traz informação referente aos encontros do Grupo de Trabalho Técnico (GTT) do Fundo Brasil-China de Cooperação para Expansão da Capacidade Produtiva. Após reunião ordinária em abril, foram examinados seis projetos.

Os projetos, que abrangem os setores de energia, logística, infraestrutura e tecnologia, solicitaram ao Fundo Brasil-China um total de US$ 2,4 bilhões. Os projetos selecionados serão analisados por instituições financeiras dos dois países. Após aprovação de um investidor brasileiro e um chinês, os membros do GTT realizarão outra reunião para deliberar sobre a proposta final de classificação, que será encaminhada ao Comitê Diretivo do Fundo, para decisão final.

Para saber mais sobre Fundo Brasil-China de Cooperação para Expansão da Capacidade Produtiva, acesse aqui.​