Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Paulo Bernardo assume o Planejamento

Paulo Bernardo assume o Planejamento

publicado:  22/03/2005 09h00, última modificação:  02/06/2015 19h00

Brasília, 22/03/2205 - O Deputado Paulo Bernardo (PT-PR) assumiu nesta terça-feira, 22 de março, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão em substituição a Nelson Machado que respondia interinamente pelo MP desde novembro de 2004, quando Guido Mantega saiu para a presidência do BNDES.


Foto: Antonio Cunha/Divulgação

O novo ministro do Planejamento nasceu em 10 de março de 1952 na cidade de São Paulo, SP. Começou sua militância política no movimento estudantil ainda durante a ditadura militar. Cursava o último ano de geologia na Universidade de Brasília (UnB) quando foi expulso com base em decreto instituído pelo governo militar. Aprovado em concurso para o Banco do Brasil foi morar em São Paulo e em 1982 transferido para o Paraná. Filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 1985, foi delegado sindical e diretor da Federação dos Bancários do Paraná.

Eleito Deputado Federal pelo PT do Paraná para a primeira legislatura de 1991 até 1995. Participou da elaboração do Mapa da Fome no Brasil na Comissão de orçamento do Congresso Nacional, onde desempenhou atividades por uma maior fiscalização orçamentária e das finanças públicas e combate à corrupção.

Reeleito em 1994, continuou sua atuação em defesa da moralidade e trato da coisa pública. Deixou o cargo para assumir a Secretaria de Fazenda em Londrina que estava com contas atrasadas e um déficit de R$ 3 milhões mensais. Nos 15 meses como Secretário, zerou o déficit e deixou um superávit de R$ 5 milhões.

Foi Secretário de Fazenda do Estado do Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1999 a dezembro de 2000.

Em 2002, Paulo Bernardo concorreu novamente a deputado federal e foi eleito com 72.831 votos dos paranaenses.

No Congresso Nacional atuou como membro titular ou suplente da várias Comissões Especiais e Permanentes. Foi Vice-presidente da Comissão Mista de Planos, Orçamentos e Fiscalização.

Foi vice-líder do PT nos períodos de 1995-1998 e 2003-2004.