Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Ministro anuncia estudo de programa para empréstimos do BID em moeda local

Ministro anuncia estudo de programa para empréstimos do BID em moeda local

publicado:  29/03/2006 09h00, última modificação:  02/06/2015 19h21

Brasília, 29/3/2005 - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo anunciou nesta quarta-feira, 29.03, que o Ministério estuda um programa para financiar, em moeda local, a infra-estrutura de municípios brasileiros. Bernardo deu esta declaração durante entrevista coletiva com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, Luis Alberto Moreno, na Expominas onde está sendo realizada a Reunião Anual do BID.

"Estamos com uma discussão intensa para desenvolver um programa de financiamento de infra-estrutura para cidades chamado Procidades. Quando definirmos a modelagem do programa, teremos o primeiro caso de financiamentos para os nossos munícipios em moeda local", disse o ministro.


foto: Antonio Cunha/Divulgação

Paulo Bernardo esclareceu que o novo programa é uma uma opção a mais para os muncípios. "Existem várias opções para que os municipios possam buscar recursos para infra-estrutura. Achamos inadequado fazer empréstimos em dólar para prefeituras porque pode haver descasamento do câmbio, o que seria uma situação dificil de ser mantida e resolvida. O procidades destina-se aos municípios que têm necessidades na área de infra-estrutura e que têm condições de contratar e pagar os empréstimos", acrescentou o ministro.

Bernardo informou que o programa está em estudos e não é possível ainda falar em prazos porque o programa está sendo discutido junto com os técnicos do BID, mas, segundo ele, o retorno que o Ministério tem recebido do banco é muito bom e acredita que em cerca de seis meses o Procidades estará pronto.

Ao ser questionado sobre uma possível redução drástica dos juros da TJLP, o ministro disse que a questão será analisada sob o aspecto técnico, mas ressaltou que a mudança de ministro não altera a política econômica que deve ser previsível, de acordo com a decisão do Presidente Lula. "O Conselho Monetário Nacional sempre é conservador, mas se houver condições técnicas e avaliarmos que devemos diminuir a TJLP, não tem nada que impeça que se diminua a taxa", finalizou.