Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Medidas para reativar economia serão apresentadas a Temer em 15 dias

Notícias

Medidas para reativar economia serão apresentadas a Temer em 15 dias

Dyogo Oliveira disse que propostas visarão promover investimentos e abertura de mercado

publicado:  22/06/2016 20h04, última modificação:  22/06/2016 20h11
A equipe econômica do governo federal, que se reuniu na manhã desta quarta-feira (22) com o presidente em exercício Michel Temer, deverá apresentar em 15 dias um conjunto de ações para a retomada da atividade econômica. “As medidas a serem propostas devem ser de cunho mais regulatório, de regras estabilizadoras que permitam maior competição e que tornem as decisões econômicas mais previsíveis”, disse ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto após o encontro.
 
O ministro observou que as medidas “não devem trazer encargo fiscal elevado ao Estado, mas estarem voltadas para destravar o investimento, para a redução da insegurança jurídica e dos custos de transação, e ainda para melhor regulação e abertura de mercado”. O conjunto de ações virá da colaboração dos ministérios, “a fim de complementar a estratégia de política econômica, não só no curto prazo, mas também na perspectiva de médio e longo prazo”, complementou.
 
Oliveira considerou ainda que “a política econômica começa com ações de estabilização fiscal, de controle e de maior qualidade dos gastos, que são a base do crescimento e que terão continuidade”.
 
Renegociação de dívidas dos estados
 
Sobre a renegociação de dívidas estaduais, o ministro explicou que o abatimento de débitos dos governos junto à União por meio de venda de estatais será tratado “caso a caso”. Ele explicou que “a decisão será de cada governador quanto aos ativos a serem privatizados para reduzir o estoque da dívida”. Oliveira disse que “há disposição em aceitar ativos dentro da negociação, mas não há determinação para que essa ou aquela empresa seja ou não privatizada. Isso caberá a cada governador”, afirmou.