Você está aqui: Página Inicial > Releases > Governo desbloqueia R$ 5 bilhões do orçamento de 2017

Notícias

Governo desbloqueia R$ 5 bilhões do orçamento de 2017

Valor será destinado a investimentos e vai favorecer a melhoria na prestação de serviços públicos por ministérios e outros órgãos
publicado:  20/12/2017 21h13, última modificação:  21/12/2017 15h02

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, e o secretário de Orçamento Federal, George Soares, anunciaram o desbloqueio de R$ 5,003 bilhões no orçamento de 2017 para aproveitamento nos órgãos públicos dos Poderes da União, MPU e DPU. O valor está detalhado no Relatório Extemporâneo de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado nesta quarta-feira (20) pelo Ministério do Planejamento.

Acesse o Relatório na íntegra

A folga maior de recursos orçamentários foi permitida em nova avaliação observando a arrecadação das receitas primárias e a realização das despesas primárias até o mês de outubro de 2017.  “Esses recursos [descontingenciados] serão aplicados principalmente em obras de investimento. Cerca de R$ 850 milhões vão para obras de investimento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)”, explicou o ministro. Além disso, R$ 3,7 bilhões serão destinados a despesas de custeio e gastos para o funcionamento dos órgãos públicos. 

Foto: Clésio Rocha - Ascom/MP

Também serão descontingenciados aos poderes Judiciário e Legislativo, proporcionalmente, R$ 62,7 milhões. Em relação às emendas parlamentares individuais, R$ 264,3 milhões a mais poderão ser gastos. E outros R$ 132,2 milhões serão liberados para as emendas estaduais obrigatórias de bancada.

Dyogo Oliveira esclareceu que a distribuição dos recursos entre os órgãos será divulgada nos próximos dias. Mas antecipou que o governo vai destinar os recursos para o pagamento de despesas que ficaram “extremamente reprimidas” ao longo deste ano, como nas áreas de Educação, Defesa, Ciência e Tecnologia, e Transportes. “Esses serão os principais ministérios a receberem recursos”, afirmou. O ministro também apontou que serão destinados recursos para o pagamento a organismos internacionais.

A reestimativa das receitas primárias federais, descontando as transferências constitucionais, previstas para 2017 apresentou elevação de R$ 0,4 bilhão devido aos fatores abaixo:

A estimativa da despesa primária apresentou redução de R$ 4,6 bilhões em relação à avaliação anterior. Segundo o ministro, um dos destaques foi o item de subsídios, subvenções e Proagro, que respondeu por quase R$ 3 bilhões a menos nos gastos do governo. Na tabela abaixo, seguem as principais alterações:

Os parâmetros econômicos de 2017 foram atualizados, mas não apresentaram grande variação em relação à avaliação anterior:

Cenários para 2018 

O ministro reforçou que o cenário para a economia em 2018 “é positivo, mas com muitos desafios”. Ele destacou que esse cenário pode ser brilhante se houver a continuidade na aprovação das reformas propostas pelo governo, em especial a Reforma da Previdência. E apontou que o país está pegando dinheiro emprestado para pagar aposentadorias e pensões. Para Oliveira, a não aprovação das reformas coloca uma grande interrogação sobre o crescimento não apenas no ano que vem, mas também nos próximos seguintes. “Reformas vão criando ambiente saudável, competitivo, que incentiva investimentos”, disse. “O grande desafio do Brasil enquanto nação é o reequilíbrio das contas públicas”, concluiu.