Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Dyogo Oliveira mantém expectativa positiva para economia em 2017

Notícias

Dyogo Oliveira mantém expectativa positiva para economia em 2017

Em entrevista à jornalista Miriam Leitão, da Globonews, ministro do Planejamento diz que processo de ajustamento continuará no próximo ano

publicado:  30/12/2016 15h12, última modificação:  03/01/2017 16h12

O governo continua preparando medidas para tentar melhorar as expectativas. Em uma entrevista à jornalista Miriam Leitão, na Globonews, exibida na noite de quinta-feira (29), o ministro Dyogo Oliveira disse que o governo tomará medidas para estimular a economia, reduzir a burocracia, aumentar a eficiência do setor público. Segundo o ministro do Planejamento o governo continuará cortando gastos com medidas como a da auditoria do auxílio-doença. A análise dos casos mostrou que 80% das pessoas que vinham recebendo esse benefício há mais de dois anos não estavam mais doentes.

Será reeditada uma Medida Provisória para continuar a fazer as perícias neste programa social. Ontem também o governo anunciou que extinguiu 4.689 cargos, 10% a mais do que a meta pretendida. Haverá ainda uma mudança nas compras governamentais em que primeiro se discutirá o preço, para que haja mais concorrência entre os possíveis fornecedores.

Em seu blog, no portal de O Globo, a jornalista Miriam Leitão registrou uma observação do ministro do Planejamento.

— Acho que 2017 será um ano de continuidade desse processo de ajustamento da economia. Nós vamos continuar apostando em ações na direção de melhorar a eficiência, criar condições para o crescimento. Haverá novas medidas. Vamos continuar com esse foco de melhorar a produtividade da economia. As condições macroeconômicas hoje são bastante melhores do que no início do ano e no início do novo governo. Já tem uma inflação baixa. As perspectivas para o lado externo estão completamente equilibradas, não temos nenhum risco do lado externo. Há já um início de um processo de flexibilização da política monetária. A nossa previsão oficial é de crescimento de 1% do PIB. Temos um ano inteiro para trabalhar.