Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Bernardo recebe delegação russa

Bernardo recebe delegação russa

publicado:  05/05/2009 20h05, última modificação:  02/06/2015 16h21

Brasília, 5/5/2009 - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, recebeu nesta terça-feira, em Brasília, uma delegação da Rússia, formada, entre outros, pela vice-ministra do Desenvolvimento Econômico da Federação da Rússia, Anna Popova, do diretor do Departamento de Política Financeira do Ministério das Finanças, Alexei Savatugin e Pavel Sigal, presidente do Centro de Microfinanciamentos, acompanhados pelo embaixador da Rússia no Brasil, Vladimir Tyurdenev.


Foto: Antonio Cunha/Divulgação.

Os russos estavam interessados em saber medidas do governo brasileiro para fomentar os financiamentos de pequenos negócios ou outros destinados a pessoas físicas com juros subsidiados. Bernardo falou sobre o crédito consignado em folha bem como sobre o funcionamento do crédito para a agricultura familiar, destacando o papel dos bancos públicos nesses financiamentos.


Foto: Antonio Cunha/Divulgação.

Além disso, destacou o ministro, o governo brasileiro lançou um programa de habitação popular cujo subsídio pode chegar a 40% do valor a ser financiado pelo mutuário, o que despertou grande interesse da delegação russa para os detalhes do programa.

Outro ponto muito questionado foi o funcionamento das modalidades de empréstimo do BNDES e Bernardo esclareceu as tentativas do governo brasileiro para reduzir o spread dos bancos e fomentar a economia.

O diretor do Departamento de Política Financeira, Alexei Savatugin, disse que o orçamento russo é muito ligado aos preços do petróleo e que no atual cenário econômico, estão passando por dificuldades. Manifestou interesse em saber como funciona o sistema de planejamento no Brasil e sua relação com o orçamento.

Bernardo explicou como é a elaboração do Plano Plurianual e as Leis Orçamentárias Anuais e esclareceu as medidas de contenção das despesas e redução do superávit primário, tomadas pelo governo brasileiro em vista da previsão de perda de receita neste ano de cerca de R$ 48 bilhões.