Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Bernardo prevê crescimento sustentável

Bernardo prevê crescimento sustentável

publicado:  13/09/2007 06h00, última modificação:  02/06/2015 16h21

Brasília, 13/9/2007 - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, está otimista com  a sustentação do crescimento da economia, ao constatar, pelo Produto Interno Bruto(PIB) do segundo semestre de 2007, a elevação dos investimentos públicos e privados e também o aumento do consumo das famílias. Paulo Bernardo acredita que o efeito das reduções das taxas de juros no primeiro semestre, do crescimento da indústria automotiva, da agricultura e a implementação das medidas do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) sobre a economia deverão melhorar ainda mais o resultado do PIB dos próximos trimestres de 2007.

O País está numa mobilização, segundo o ministro, para o crescimento econômico. A maioria do empresariado acredita no sucesso da economia, na capacidade de sustentação deste novo ciclo econômico. Um  indicar desta disposição é o aumento de 13,8% do PIB do investimento no último trimestre sobre o mesmo período de 2006.

A sustentação do novo ciclo de expansão da atividade produtiva foi construído dentro de uma estratégia de governo de melhoria dos fundamentos econômicos como ampliação do superávit fiscal, redução da dívida líquida do setor público, da inflação e dos juros.  Paulo Bernardo , no entanto, lembra que é preciso ficar atento ao comportamento dos fundamentos econômicos.

Uma das iniciativas que pode contribuir ainda mais para a expansão da economia seria uma redução da carga tributária para elevar a poupança do setor privado.   Bernardo  disse que é possível e desejável uma redução de tributos, desde que seja feita dentro de um plano estratégico envolvendo todos os entes federativos e de forma gradual. A redução da carga de tributos deveria envolver queda gradual de gastos de forma a garantir superávit nas contas do governo.

Os sinais dados pelo setor produtivo apurados pelo IBGE, indicando uma maior disposição dos agentes econômicos em elevar os investimentos, aumentaram ainda mais a confiança  do ministro do Planejamento no atual ciclo de crescimento. O PAC, segundo ele, deverá trazer uma grande contribuição nos próximos resultados do PIB. A grande virtude até aqui foi o chamamento do Presidente Lula para que o setor privado apostasse no crescimento da economia. Bernardo acredita que o PAC ajudará a puxar ainda mais o crescimento, no ano que vem, pelo efeito de investimento em infra-estrutura.