Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Bernardo: PNAD/2006 mostra o êxito dos programas sociais do Governo

Bernardo: PNAD/2006 mostra o êxito dos programas sociais do Governo

publicado:  28/03/2008 06h00, última modificação:  02/06/2015 16h21

Brasília, 28/3/2008 - O Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse nesta sexta-feira, 28.03, que os números da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio – PNAD de 2006, divulgados pelo IBGE mostram que o Governo Lula obteve êxito nos programas sociais, principalmente o Bolsa Família. Segundo Bernardo, a PNAD mostra que os avanços econômicos como crescimento sustentável, estabilidade, emprego e renda “se refletem na melhora dos indicadores sociais e nos padrões de consumo das famílias”.

Segundo os números, no período de 2003 a 2006, houve um aumento da renda média real de 5,3% e do emprego de 11%, além de redução da desigualdade de renda medida pelo índice de GINI de 0,563 em 2002 para 0,541 em 2006.

Além disso, a taxa de analfabetismo mostra uma redução expressiva nos últimos 10 anos. Era de 13,7% em 1996 e caiu para 9,6% em 2006 entre aqueles com 10 anos ou mais de idade. Na faixa de 10 a 14 anos a redução foi ainda mais expressiva, passando de 8,3% em 1996 para 2,9% em 2006.

Ainda no lado da educação, o Brasil atingiu a universalização do ensino na faixa de 7 a 14 anos e passou de 91,3% em 1996 para 97,7%.

A pesquisa mostra que em 2006, 18,3% dos domicílios pesquisados recebiam algum tipo de auxílio de programas sociais do governo (em 2004 era 15,6%), sendo 35,9% dos domicílios do Nordeste e no Estado de Roraima, na região Norte, constatou-se que metade dos domicílios recebia dinheiro de algum programa social do governo.

Paulo Bernardo afirmou que “é hoje reconhecido que o sucesso do desenvolvimento depende de bons fundamentos macroeconômicos, mas também da melhora da educação, dos serviços sociais e da infra-estrutura e os números da PNAD mostram que os programas de governo vêm atuando na direção correta”, destacou.

O ministro do Planejamento afirmou ainda que os dados específicos da PNAD sobre os programas sociais mostram que os recursos desses programas chegaram efetivamente às famílias das regiões mais pobres do Brasil e atuaram para melhorar as condições de vida dessas famílias, citando para confirmar os dados de consumo das famílias mais pobres destacada na pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE. 

Segundo a PNAD, houve uma melhora na infra-estrutura de todos os domicílios entre 2004 e 2006, com destaque para coleta de lixo e iluminação elétrica. Houve melhora também na aquisição de bens duráveis para todos os domicílios entre 2004 e 2006, com destaque para geladeira, TV e máquina de lavar roupa.

Bernardo ressaltou que o custo orçamentário do Programa Bolsa Família, que em 2008 deve ser de R$ 10 bilhões para o atendimento de 11 milhões de famílias, “é modesto comparado aos benefícios e resultados apontados na PNAD-2006”.