Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Bernardo discursa na abertura da reunião do FIDA em Roma

Bernardo discursa na abertura da reunião do FIDA em Roma

publicado:  18/02/2009 16h29, última modificação:  02/06/2015 19h21

ÍNTEGRA DO DISCURSO DE PAULO BERNARDO

 

Brasília, 18/2/2009 - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse em Roma nesta quarta-feira, 18.02,  que a crise econômica poderá exercer forte impacto sobre o crédito para a pequena agricultura familiar e levar à desarticulação das redes de proteção social em função da escassez de recursos financeiros. Enfatizou, portanto, como “fundamental recolocar o tema do combate à pobreza rural em destaque na agenda internacional e fornecer mecanismos de proteção à agricultura familiar nos países. Neste aspecto, destacou, o FIDA poderá exercer de forma mais “vigorosa seu papel de agente de fomento.

Segundo Bernardo,  a deterioração macroeconômica de diversos países com a pior crise dos últimos 80 anos e o recrudescimento do protecionismo nas economias centrais podem indicar para o “risco de grave retrocesso nas conquistas de muitas regiões o sentido de melhorar a vida de suas populações.

Bernardo discursou para uma platéia de cerca de 300 pessoas reunidas em Roma para a 32ª Sessão do Conselho de Governadores do FIDA – Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura que irá escolher o próximo presidente.

O FIDA tem o principal objetivo de combater a fome rural e a pobreza nos países em desenvolvimento e Bernardo destacou que, apesar da crise econômica, muitos países aumentaram suas participações no Fundo e houve um incremento significativo dos aportes financeiros na oitava recomposição do organismo.

O ministro do Planejamento, como governador do Brasil no FIDA, destacou como pontos que o Brasil considera importantes para a atuação do organismo a intensificação da presença física do organismo nos países beneficiários, um maior equilíbrio entre os fatores de ponderação da atual sistemática do Sistema de Alocação Baseado em Resultado do Fundo; manutenção da atuação do FIDA nos países de renda média incorporando novos produtos; cooperação sul-sul por meio de arranjos triangulares e finalmente Bernardo defendeu que o FIDA “avance no sentido de alcançar padrões de governança e eficiência das principais instituições financeiras internacionais.