Você está aqui: Página Inicial > Notícias > A EMBASA é Ouro

A EMBASA é Ouro

publicado:  08/03/2006 06h00, última modificação:  02/06/2015 16h21

Brasília, 8/3/2006 - A empresa pública baiana de abastecimento de água e esgotamento sanitário (Embasa), caminha para consolidar-se como referência nacional. O percurso inclui o compromisso diário com práticas de excelência em gestão focadas na satisfação do cidadão a quem presta serviços. A instituição conquistou, na categoria especial Saneamento o reconhecimento na Faixa Ouro do Prêmio Nacional da Gestão Pública, organizado pelo Ministério do Planejamento. As homenagens a Embasa e a outras 14 organizações brasileiras reconhecidas em 2005 pelo alto padrão institucional e gerencial serão conduzidas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no próximo dia 14 de março, no Palácio do Planalto.

“O caminho da qualidade não pode e não deve ter fim. O PQGF foi mais um desafio e vencemos” – disse o diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Embasa, Abal Simões de Magalhães sobre a empresa de águas e saneamento, única nessa área a participar do prêmio federal, ao concorrer com outras 85 organizações inscritas e 56 organizações candidatas, que entregaram o Relatório da Gestão. Magalhães, que já foi superintendente da organização de 1994 até meados de 2005 destacou que a Embasa tomou uma decisão estratégica em 2000, quando resolveu candidatar-se ao Prêmio Gestão Qualidade Bahia. “A nossa intenção foi unicamente disseminar critérios de excelência para uma força de trabalho composta por mais de duas mil pessoas”, disse.

O dirigente acentuou que a idéia de formar uma nova cultura na Embasa alicerçada em inovação, criatividade e visão de futuro prosperou em novas candidaturas e premiações de lá para cá. “Em 2000 veio o primeiro diploma, que hoje é representado pelo Troféu Bronze”, frisou. Depois disso, a empresa deu continuidade a seu aperfeiçoamento, com a elaboração do Plano de Melhoria de Gestão. “Partimos para implantar práticas referenciadas por empresas com tradição em vencer pelo mérito gerencial, como Cetrel, Politeno e Suzano”.

O esforço surtiu efeitos com as premiações, Prata em 2001 e Ouro em 2002, na esfera do Prêmio Gestão Qualidade Bahia. “Por sermos uma unidade responsável pelos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e serviços comerciais o maior ganho com a implantação do novo modelo foi a melhoria do atendimento aos nossos clientes”, destacou Magalhães ao dizer que as pesquisas realizadas no período sobre o nível de satisfação dos usuários atestam o salto de qualidade.

A premiação em nível estadual serviu de estímulo para novos desafios até a Embasa chegar à situação de empresa modelo, na sua área, em termos de gestão. No planejamento estratégico para 2003 foram revistas as diretrizes organizacionais e o foco passou a ser o de alcançar a condição de referência nacional no setor de saneamento. “Participamos em 2003 do Prêmio Nacional de Qualidade do Saneamento (PNQS), patrocinado pela Associação Brasileira de Engenharia (ABES), quando fomos vencedores do Troféu Quiron, com a pontuação máxima”, salientou o diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Embasa. Segundo Magalhães, os diversos prêmios conquistados por várias unidades da Embasa têm relação direta com o apoio permanente do presidente da organização, José Lúcio Lima Machado. “Nosso presidente sempre nos incentivou, como o fez com relação ao PQGF 2005”, disse.

Uma das ações de qualidade

A Embasa é responsável pelo Programa Bahia Azul, de empreendimentos na área de saneamento e meio ambiente do Governo do Estado da Bahia. O programa se diferencia por conduzir a maior estrutura de saneamento ambiental em execução na América do Sul. A expectativa é beneficiar mais de 2,5 milhões de pessoas que vivem nos municípios que circundam a Baía de Todos os Santos. No local do entorno mais de 70% da população deverá contar com esgotamento sanitário.

O programa deverá gastar no total US$ 600 milhões, dos quais US$ 264 milhões financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), US$ 73 milhões pelo Banco Mundial (BIRD), US$ 78,2 milhões pelo Overseas Economic Cooperation Fund (OECF), US$ 29 milhões pela Caixa Econômica Federal (CEF), US$ 60,8 milhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e US$ 95 milhões pelo Governo do Estado da Bahia.

A maior parte dos recursos está sendo aplicada em esgotamento sanitário e abastecimento de água, a partir da construção de reservatórios e estações de tratamento, ampliação e substituição de rede distribuidora. Também vêm sendo implementadas ações para melhorar os serviços de coleta e disposição final dos resíduos sólidos (lixo), intensificar o controle de poluição industrial, principalmente em relação ao lançamento de efluentes na Baía de Todos os Santos e desenvolver projetos de educação sanitária e ambiental.
Segundo previsão dos técnicos da EMBASA, Salvador será uma das capitais melhor atendidas por esse tipo de serviço no país. Por enquanto, o Bahia Azul já garantiu a recuperação de áreas degradas e das condições de balneabilidade de praias como Barra, Ondina, Amaralina, Itapuã, Stella Maris, Bogari e Boa Viagem.

O Programa Bahia Azul deverá gerar mais de 100 mil empregos temporários no tempo da sua execução. Também serão criados postos de trabalho permanentes a partir da revitalização econômica do Recôncavo e do aproveitamento do seu potencial turístico e patrimônio cultural. Mas, principalmente, o programa deverá repercutir na melhoria do padrão de saúde pública, reduzindo a mortalidade infantil e a ocorrência de doenças transmissíveis por veiculação hídrica, conferindo mais desenvolvimento, aliado ao bem estar social.

A empresa
Ligada à Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia, a Superintendência Metropolitana de Salvador (Embasa) é a maior empresa em saneamento básico do Nordeste, ocupa a posição de 27ª empresa estatal do país e está entre as 100 maiores empresas da região Norte-Nordeste, segundo a Revista Exame.

A estatal tem uma receita operacional líquida anual da ordem de R$ 370 milhões e atende a uma população estimada em 7,2 milhões de pessoas em 344 municípios da Bahia. A instituição conta com treze unidades de negócios no interior e seis na Região Metropolitana de Salvador. Visa em sua atuação uma combinação de resultados que representem satisfação a clientes e fornecedores e melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida.

Depois do Ouro obtido no Prêmio Nacional da Gestão Pública, o próximo passo da Embasa será novamente vencer e conquistar o Troféu PQGF. Na trajetória que não cessa a meta é o reconhecimento como uma empresa de Classe Mundial.