Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 436 obras de infraestrutura que estavam paralisadas já foram retomadas

Notícias

436 obras de infraestrutura que estavam paralisadas já foram retomadas

Governo federal disponibilizou recursos necessários dentro da previsão orçamentária
publicado:  22/02/2017 20h54, última modificação:  23/02/2017 19h21

 

O ministro do Planejamento Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, anunciou, nesta terça-feira (21), o balanço da retomada de obras paralisadas no país. Ao total, 436 obras de infraestrutura reiniciaram a execução, com um orçamento de R$ 847,7 milhões, sendo que dessas, 79 já foram concluídas (veja apresentação e listagem completa das obras).

Foto: Gleice Mere/Ministério do Planejamento 

“É importante frisar que os dados de coleta se referem a 31 de dezembro do ano passado. Nossa perspectiva é que tenhamos, no próximo balanço, um número ainda maior”, disse Oliveira, que avaliou o balanço como positivo, levando-se em conta o tempo e as mudanças nas gestões municipais. 

De acordo com o levantamento realizado, os principais motivos pelos quais os empreendimentos estavam paralisados são; abandono pela empresa (189), problemas ambientais (8), judiciais (4), orçamentários e financeiros (57) e técnicos (132), entre outras razões.

Entre as obras retomadas estão creches, quadras e pré-escolas (89), obras de prevenção em áreas de risco (13), quadras esportivas nas escolas (141), obras de saneamento (67), obras de urbanização de assentamentos precários (68), entre outras.

“Essas obras tem um apelo muito próximo das pessoas porque são obras de atendimento à população, com um significado muito grande para aqueles que vão ser atendidos”, comentou Oliveira.

A lista com 1,6 mil empreendimentos que estavam paralisadas foi divulgada em novembro de 2016 pelo governo federal. São obras com valor unitário entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões. Os empreendimentos foram retomados após uma avaliação do governo federal que priorizou as obras e disponibilizou os recursos necessários dentro da previsão orçamentária já existente nos ministérios setoriais.