Você está aqui: Página Inicial > Notícias > “Governo vai perseverar no caminho do ajuste fiscal”, afirma Dyogo Oliveira

Notícias

“Governo vai perseverar no caminho do ajuste fiscal”, afirma Dyogo Oliveira

Em evento do IBGE, ministro destacou instituição por produzir informações relevantes e confiáveis
publicado:  05/12/2016 17h55, última modificação:  07/12/2016 13h51

  

Nesta segunda-feira (2), no Rio de Janeiro, na abertura da 3 Conferência Nacional de Produtores e Usuários de Informações Estatísticas, Geográficas e Ambientais (Infoplan), o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disse que o governo federal continuará perseverando no caminho do ajuste fiscal.

Foto: IBGE - Coordenação de Comunicação Social

“Não vamos nos perder neste caminho. É evidente que é um caminho duro e difícil. Quando discutimos cada despesa, temos isso em mente, porque é através deste caminho que chegaremos à retomada do crescimento e do desenvolvimento econômico levando o Brasil ao lugar que lhe é reservado na história, que é o de ser um dos maiores países do mundo”, disse o ministro.

Oliveira lembrou que o governo já tem encaminhado diversas ações que se direcionam para o crescimento econômico e citou como exemplo a desregulamentação do setor de petróleo, aprovada na semana passada pelo presidente Michel Temer, que, segundo ele, trará novos investimentos na área. O ministro mencionou também a nova lei de governança das empresas estatais, a retomada do processo de privatização de empresas públicas deficitárias e o lançamento, em bases técnicas, dos projetos de concessões de obras em infraestrutura. 

No evento promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Oliveira destacou o papel do órgão como instituição que produz informações relevantes e confiáveis. “O processo de retomada do crescimento dependerá enormemente de informação e o IBGE é a uma instituição, acima de qualquer governo e conjuntura, que representa o que é fundamental, que é a tempestividade. O IBGE está sempre disponível nos momentos em que é necessário para o país”, comentou.

Revisão de política públicas

O ministro do Planejamento informou que o governo federal está realizando um meticuloso trabalho de revisão das políticas públicas com o cruzamento de dados para promover maior eficiência dos gastos públicos. Com a revisão do programa do auxílio doença, iniciada em setembro passado, para os casos em que o benefício é concedido há mais de dois anos sem a realização de perícias, a economia já apurada é de R$ 292,3 milhões ao ano.

No programa Bolsa Família, o cruzamento de informações de diversos bancos de dados do governo permitiu o bloqueio e o cancelamento imediato de 1,12 milhão de benefícios, o que corresponde 8% do total. Por subdeclaração de renda, foram cancelados 469 mil benefícios (3,4%) e, por probabilidade de subdeclaração de renda, foram bloqueados mais 654 mil (4,7%). O cancelamento dos benefícios resulta em uma economia de R$ 1,02 bilhão ao ano e o bloqueio pode gerar redução de R$ 1,43 bilhão ao ano.