Você está aqui: Página Inicial > imprensa > Comunicados à Imprensa > Planejamento esclarece matéria “Investimentos de empresas estatais recuam no ano” do jornal O Estado de S. Paulo

Planejamento esclarece matéria “Investimentos de empresas estatais recuam no ano” do jornal O Estado de S. Paulo

publicado:  10/10/2014 16h52, última modificação:  27/08/2015 12h42

Sobre a matéria "Investimentos de empresas estatais recuam no ano" publicada na edição de hoje, 10 de outubro, do jornal O Estado de S. Paulo, o Ministério do Planejamento reitera:

•  Os dados acumulados até o 4º bimestre de 2014 mostram que foram executados 56,6% do total previsto para o ano, enquanto que no mesmo período de 2013, esse percentual atingiu 53,3%.. Isto demonstra aumento no ritmo dos investimentos previstos.

•  Diversos projetos de grande porte já se encontram adiantados ou próximos de seu término, razão pela qual seus orçamentos para 2014 (LOA 2014) foram menores que os previstos para 2013. 

•  O Projeto de Lei Orçamentária, que contempla o Orçamento de Investimento das Empresas Estatais para 2014, foi enviado ao Congresso Nacional em Agosto/2013.

•  A redução no montante do Orçamento de Investimento executado pelo Grupo Eletrobras deve-se ao ritmo da programação de desembolso de cada projeto, que não é linear ao longo do ano. E não há tendência de redução para o ano fechado (janeiro a dezembro).

•  O montante investido por meio de Aportes de Recursos em Empresas Coligadas e Sociedades de Propósito Específico (SPEs, em que o Grupo Eletrobras é minoritário) cresceu 18% entre Ago/2013 e Ago/2014, de R$ 2,5 bilhões para R$ 2,9 bilhões. Assim, os investimentos totais (Orçamento de Investimento + Aportes em Coligadas e SPEs) aumentaram em 6% (+ R$ 0,3 bilhão) entre Ago/2013 e Ago/2014.

•  O valor investido pela Infraero de janeiro a agosto/2014 foi de R$ 933,7 milhões. Esse total é 5,6% superior ao investido pela empresa no mesmo período de 2013. Desde 2008, os investimentos realizados pela Infraero são superiores ao do ano anterior. Dessa forma, houve incremento no valor investido na comparação entre os anos – e não retração, como afirma a reportagem.