Você está aqui: Página Inicial > NOTÍCIAS > Maior participação das mulheres em compras públicas fortaleceria economia, afirma especialista do BID

Notícias

Maior participação das mulheres em compras públicas fortaleceria economia, afirma especialista do BID

Melhoria da qualidade do gasto público por meio do empoderamento feminino é apresentada no Fórum Nacional de Contas Públicas
publicado:  05/12/2018 19h19, última modificação:  05/12/2018 19h19

Brasília, dezembro de 2018 – O Fórum Nacional de Contas Públicas, realizado em Brasília, dedicou espaço para a discussão acerca da maior inclusão de mulheres nos contratos firmados entre instituições públicas e empresas privadas. Leslie Harper, representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), apresentou, no evento, números que evidenciam a importância da participação das mulheres nas compras públicas.

De acordo com dados expostos por Harper em palestra, as empresas cujas donas são mulheres reinvestem até 90% de suas rendas nas comunidades locais, o que representa fomento à economia. “O aumento da participação das mulheres nos mercados é traduzido em crescimento econômico e social”, afirmou Harper.

Mulheres lideram a maior parte das empresas de pequeno e médio portes – de acordo com estudos internacionais, esses empreendimentos são importantes movimentadores da economia mundial e reúnem 80% do total de postos de trabalho. No âmbito das contas públicas, que na América Latina representam gastos em torno de 30% do PIB dos países da região, apenas 1% dos contratos é concedido a empresas de mulheres, de acordo com Leslie Harper.

O Fundo Monetário Internacional estima que o PIB global teria um aumento de 10% se as mulheres tivessem oportunidades iguais em relação aos homens no ambiente de trabalho. “Empoderar as mulheres é fundamental não só para o crescimento econômico, mas para o progresso social”, ressaltou a representante do BID.

Em termos de medidas que podem ser implementadas para incluir as mulheres nos contratos de compras públicas, a especialista recomendou a formulação de políticas que deem prioridade aos negócios liderados por elas, além de melhor disseminação das informações a respeito de licitações públicas e capacitação para mulheres empresárias.