Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Programa de Investimento em Logística - PIL > Notícias > Segunda etapa de duplicação da BR-163/MT é concluída

Notícias

Segunda etapa de duplicação da BR-163/MT é concluída

Obra faz parte do PIL e ajudará no escoamento de grãos da região Centro-Oeste

publicado:  30/07/2015 21h16, última modificação:  30/07/2015 21h16

A BR-163/MT tem a segunda etapa da obra de duplicação concluída, completando 55 quilômetros de novas pistas no sul do Estado de Mato Grosso. Na quarta-feira (29/7), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou as obras de duplicação referentes a 32,4 quilômetros de rodovia executadas entre Rondonópolis (MT) e a divisa com Mato Grosso do Sul pela concessionária administradora do trecho, Rota do Oeste.

Em visita in loco, foram avaliados itens como qualidade do pavimento e condições de trafegabilidade. Na última semana, já haviam sido liberados para o tráfego dois dispositivos de acesso, um ao aeroporto de Rondonópolis e outro à MT-471. Com a finalização da nova pista, a concessionária deve dar início ao processo de recuperação e adequação da pista antiga para que as duas tenham a mesma qualidade, garantindo mais segurança e trafegabilidade aos usuários.

Foto: Divulgação / ANTT

Somado aos 22,5 quilômetros, entre Rondonópolis e o terminal de Cargas da América Latina Logística (ALL), são 54,9 quilômetros de obras executadas. Para início da cobrança de pedágio, conforme contrato de concessão com a ANTT, a concessionária deveria concluir, no mínimo, 10% de duplicação (45 quilômetros). Até 2019, a Rota do Oeste deve duplicar cerca de 450 quilômetros de rodovia, entre a divisa com o Mato Grosso do Sul e Rondonópolis; a Rodovia dos Imigrantes (BR-070) e do trevo do Posto Gil, em Diamantino, até Sinop, onde termina a concessão.

Também de acordo com o contrato de concessão, a conclusão da duplicação de 10% do trecho é a terceira e última obrigação contratual para iniciar a cobrança de pedágio na BR-163. Antes disso, foram concluídas duas outras metas contratuais: a recuperação emergencial de todo o pavimento existente na rodovia e a implantação do Sistema de Atendimento ao Usuário (SAU).

Concessão – A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), criada em 2001, regula e fiscaliza a exploração de infraestrutura e prestação de serviços de transporte terrestre, inclusive contratos já celebrados antes da sua criação, resguardando os direitos das partes e o equilíbrio econômico-financeiro dos respectivos acordos.

Com 850,9 quilômetros de extensão, a BR-163/MT foi concedida para iniciativa privada com o objetivo de exploração da infraestrutura, em 20 de março de 2014, pelo período de 30 anos. A licitação fez parte da 3ª etapa do programa de concessões rodoviárias.

Fonte: ANTT