Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Planejamento > Orçamento > Notícias > SOF destaca preocupação com qualidade do gasto público

Notícias

SOF destaca preocupação com qualidade do gasto público

publicado:  20/04/2015 11h21, última modificação:  20/04/2015 11h21

Salvador,  30/10/2009 - O secretário Ajdunto de Orçamento Federal, Eliomar Rios, no Congresso do CLAD que termina hoje em Salvador, sobre a preocupação do governo em relação à alocação dos recursos públicos e principalmente como os órgãos da Administração Pública estão aplicando esses recursos.

Segundo Eliomar, hoje existem alguns problemas que afetam a qualidade do gasto público, entre eles a indefinição da missão da instituição, “Muitos órgãos trabalham sem ter uma visão de longo prazo e isso consequentemente vai impactar na visão estratégica, disse. Outro problema apontado é o baixo nível de capacitação do servidor que trabalha na área administrativa, o que vai impactar diretamente na racionalização do gasto.

Dentro desse contexto, o governo federal iniciou a discussão de melhorar a qualidade do gasto na Administração pública. O objetivo é aumentar a qualidade do gasto público por intermédio do fim do desperdício e da melhoria da gestão dos processos com a finalidade de otimizar a prestação de bens e serviços para a sociedade.

Outro ponto destacado pelo Secretário Adjunto é que o desperdício leva a má qualidade do gasto público. “Há espaço para combater o desperdício e combatendo esse problema vai sobrar muito recurso para atender a finalidade do órgão, destacou.

O projeto de racionalização do gasto, coordenado pelo Ministério do Planejamento há cerca de um ano e desenvolvido em parceria com alguns ministérios acontece por adesão. A idéia é compartilhar e disseminar boas práticas para a melhoria da gestão por resultados.
Um dos desafios do programa é criar mecanismos para estimular os servidores a buscarem melhorias e identificar onde estão as boas oportunidades para a racionalização do gasto.

No painel, o chefe do Departamento de Administração do Hospital das Forças Armadas, José Alexandre Pires mostrou que com a parceria no projeto, o total de ganhos alcançados foi de R$2,2 bilhões. Segundo ele, o principal ponto ocorreu em relação ao aumento do poder de compra em larga escala, ou seja, quando dois ou mais órgãos da administração pública se juntam para comprar um mesmo produto de um mesmo fornecedor, o preço cai significativamente. Foi o que aconteceu na compra de medicamentos e material laboratorial em parceria com o Hospital Universitário de Brasília.

Já o Diretor de Administração e Tecnologia do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE/MEC), José Carlos de Freitas, mostrou a bem sucedida experiência brasileira na aquisição de mobiliário escolar. Segundo ele, é preciso enxergar a questão da compra pública com mais atenção, pois é um instrumento muito importante para ajudar a melhoria do gasto público.