Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Rede Governo terá novo modelo de licitação

Notícias

Rede Governo terá novo modelo de licitação

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 11/06/2001 - O Comitê Executivo do Governo Eletrônico deverá concluir dentro de um mês as regras para as licitações de contratação de infra-estrutura de telecomunicações para a transmissão de dados no governo federal. A informação foi divulgada pelo Secretário Executivo do Comitê Executivo do Governo Eletrônico, Solon Lemos Pinto, durante o VII Congresso de Informática Pública - CONIP, em São Paulo.

No dia 31 de maio o grupo de trabalho Br@sil.gov discutiu com as operadoras de telefonia o novo modelo de contratação. O grupo recebeu diversas sugestões, entre elas a de licitar lotes segmentados por tipo de serviço e região.

"Eles sugeriram a contratação regionalizada e a formação de consórcios", afirmou Solon. A especificação da contratação (qualificação técnica, preço, ou mista) e o prazo dos contratos também foram debatidos. O representante do Comitê e Secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento adiantou também que estão sendo analisadas visões alternativas para a consolidação do modelo de contratação do governo federal.

Acredita-se que as ações do programa Governo Eletrônico vão quadruplicar o volume de tráfego nas redes nos próximos dois anos. Como isso vai gerar um grande impacto no mercado, o Comitê quer garantir um ambiente competitivo para as contratações.

Solon Lemos Pinto estima que o novo sistema permitirá uma economia de 50% no custo de operação e contratação das redes de telecomunicações, e de 20% no preço final oferecido pelas empresas.

O Secretário disse ainda que o trabalho de interligação das redes governamentais está seguindo dentro do cronograma, reunindo esforços do IBGE, DATAPREV e SERPRO em suas bases no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Durante os próximos seis meses a rede ainda funcionará de forma experimental, até o vencimento dos atuais contratos entre os órgãos públicos e as operadoras de telefonia.