Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Rede da Previdência poderá fortalecer acesso popular à Internet

Notícias

Rede da Previdência poderá fortalecer acesso popular à Internet

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 17/09/2001 - Os Ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Previdência estudam um acordo para utilizar a rede previdenciária na implantação dos Pontos Eletrônicos de Presença - PEPs, locais de acesso público à Internet que o Governo quer implantar em todo o país.

Segundo Rodrigo Godinho Corrêa, da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento e consultor do projeto, o acordo poderá incrementar o Programa Governo Eletrônico, do Avança Brasil, com a utilização dos mil pontos já instalados do PrevFácil.

"Isso eliminaria gastos adicionais com a contratação de redes ou equipamentos. O que se discute é uma interface comum, que garanta acesso rápido aos serviços previdenciários e a outros serviços governamentais na rede mundial de computadores", explica ele.

Um dos principais desafios na implantação dos Pontos Eletrônicos de Presença é universalizar o acesso dos cidadãos aos serviços prestados pelo governo federal na Internet, evitando a utilização dos equipamentos para atividades ilegais ou ilegítimas, como jogos ou pornografia. Segundo Rodrigo Corrêa, nos pontos do PrevFácil não será permitida a navegação irrestrita, e as máquinas de auto-atendimento serão utilizadas principalmente para a prestação de serviços previdenciários.

"A agência da Previdência tem a finalidade de atender aos segurados. O questão é harmonizar o atendimento com a prestação de serviços mais ampla", analisa.

Outra discussão é sobre a possibilidade de se receber e enviar mensagens por serviços de e-mail nos postos do PrevFácil. Inicialmente, os mil pontos da Previdência não disponibilizarão o acesso, para evitar riscos à segurança da rede. Corrêa explicou, no entanto, que o governo pretende implementar o serviço no futuro, em especial nos pontos localizados no interior, onde não existem provedores de acesso à Internet.