Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Órgãos públicos ganham guia de grids e clusters

Notícias

Órgãos públicos ganham guia de grids e clusters

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 13/4/2007 - Está mais fácil estruturar ambientes de grids e clusters em órgãos públicos de todo o país. A Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento lançou nesta quinta-feira, dia 12, em Porto Alegre, um guia com orientações que pretende facilitar a vida dos gestores de Tecnologia da Informação do setor público nessa área. O lançamento ocorreu durante a abertura do 8º Fórum Internacional de Software Livre.

O Guia de Estruturação e Administração de Ambiente de Cluster traz informações sobre as principais tecnologias em software livre e de código aberto disponíveis no mercado. Também aborda as diretrizes gerais para utilização das tecnologias de cluster, passando pelos aspectos gerenciais e técnicos para montagem de um ambiente de grids e clusters.

O grid é uma arquitetura de computação distribuída para o compartilhamento de recursos computacionais que possibilita aproveitar capacidades ociosas dos computadores distribuídos de um órgão ou empresa. Já o cluster é um sistema que compreende dois ou mais computadores ou sistemas trabalhando em conjunto para executar aplicações ou tarefas cujas máquinas não teriam capacidade para realizá-las individualmente.

Entre os benefícios de sua utilização estão a redução de custos para a instituição já que possibilitam a utilização de softwares livres e abertos e reduzem a dependência de mainfraimes. Esses são equipamentos extremamente especializados, de forma que somente a empresa que os comercializa detém a manutenção, venda e reposição das peças e componentes. Isso aumenta a dificuldade de interoperabilidade entre equipamentos de fornecedores distintos, a abundância de padrões divergentes e a dependência de tecnologias.

O documento esteve aberto às sugestões junto às universidades brasileiras e à comunidade de software livre. O guia é voltado para o setor público, mas qualquer pessoa poderá acessá-lo no endereço http://guialivre.governoeletronico.gov.br/guiacluster/ .

Na SLTI foi implantado um ambiente de cluster com 40 servidores que utilizam somente software livre. Nessa infra-estrutura, estão em operação vários projetos da Secretaria como o portal de Inclusão Digital do Governo Federal ( www.inclusaodigital.gov.br ) e o Portal de Software Público Brasileiro ( www.softwarepublico.gov.br ). Também hospeda o software de mineração de dados chamado Tamanduá, o Sistema de Integração e Inteligência em Informações de Governo (I3gov), o Projeto de Gestão da Qualidade do Censo Previdenciário, entre outros.

Outros oito servidores do cluster da SLTI foram instalados no Bloco K da Esplanada dos Ministérios, sede do Ministério do Planejamento, enquanto a SLTI funciona no Bloco C da Esplanada. O custo total da iniciativa foi de R$ 450 mil.

Benefícios Arquitetura Cluster

- Processamento de Alta Performance

- Hardware padrão aberto, de baixo custo

- Independência de Fornecedor

- Escalabilidade grande

- Alta-Disponibilidade

- Tolerância à falhas