Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Lixo eletrônico será debatido na 7ª Oficina para Inclusão Digital

Notícias

Lixo eletrônico será debatido na 7ª Oficina para Inclusão Digital

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 29/10/2008 - A relação entre inclusão digital e impacto ambiental de resíduos eletrônicos será um dos principais temas da 7ª Oficina para Inclusão Digital, que ocorrerá de 4 a 7 de novembro, em Belém do Pará. Especialistas internacionais em resíduos eletroeletrônicos e representantes do Governo Brasileiro debaterão o tema no painel “Inclusão digital e meio ambiente: os impactos do lixo tecnológico que ocorrerá após a abertura do evento,  na manhã do dia 4 de novembro.
 
O painel contará com a participação da pesquisadora Uca Silva, responsável pela Plataforma RELAC/Sur Corporación (Chile), do pesquisador em resíduos eletroeletrônicos da Universidade do Arizona (EUA), Ramzy Kahhat Abedrabbo, e do diretor do Departamento de Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Silvano Silvério da Costa. O debate será mediado pelo representante da ONG Cidadania Digital, Carlson Aquistapasse. 

Entre os assuntos que serão abordados estão a obsolescência e os ciclos de vida dos computadores e acessórios, os serviços de reciclagem e o mercado internacional de equipamentos manufaturados. Outro tema a ser discutido é a legislação sobre resíduos tecnológicos, que se torna cada vez mais rígida em países com alta percentagem de acesso às Tecnologias da Informação e Comunicação.

Estão previstas ainda oficinas práticas sobre recondicionamento de computadores, metareciclagem e robótica livre e desmanche, reciclagem e disposição final de resíduos tecnológicos. Esta última será ministrada pelo  engenheiro ambiental e especialista em manejo de resíduos sólidos pela Universidade Politécnica de Zarich e coordenador Federal do Institute for Materials Science and Technology Research da Colômbia, Daniel Ott.

Durante o evento também vai ocorrer o Encontro de Recondicionadores que vai reunir representantes dos quatro Centro de Recondicionamento de Computadores (CRCs) em funcionamento nas cidades de Porto Alegre, Gama (DF), Guarulhos e Belo Horizonte. Também está prevista a participação de representantes de iniciativas do Chile e da Argentina.

Os CRCs integram o Projeto Computadores para Inclusão coordenado pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento. A iniciativa consiste numa rede nacional de reaproveitamento de equipamentos de informática, formação profissional e inclusão digital.

O seu objetivo é recondicionar equipamentos de informática como computadores, impressoras e servidores descartados por órgãos do governo e empresas para destiná-los a projetos de inclusão digital como telecentros, escolas, bibliotecas e outros centros públicos para acesso à internet. Mais informações podem ser obtidas no portal www.computadoresparainclusao.gov.br.

O secretário adjunto da SLTI e coordenador do Projeto Computadores para Inclusão, Rodrigo Assumpção, considera interessante que este tema encontre espaço nas discussões sobre inclusão digital. "Além da necessidade de resolver a lacuna legislativa, o Brasil tem a oportunidade de envolver um espectro de atividades muito amplo no processo de solução da questão dos resíduos eletrônicos", aposta.

Sobre a 7ª Oficina 
A 7ª Oficina para Inclusão Digital é uma realização da SLTI em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Governo do Pará. O evento é um espaço de discussão e proposição de estratégias, políticas públicas e diretrizes de acesso e uso das tecnologias da informação e da comunicação (TICs). O objetivo é aproximar pessoas que trabalham diretamente na implementação, formação e nas áreas técnicas ligadas à inclusão digital no país.

A oficina é voltada a gestores e administradores públicos e privados envolvidos com inclusão digital, atendimento ao cidadão e que atuam na área de tecnologia da informação; coordenadores e monitores telecentros e outras iniciativas de inclusão digital; autoridades e legisladores; representantes da sociedade civil (ONGs, entidades e associações); professores da rede pública de ensino; estudantes, acadêmicos e especialistas; e interessados no tema.

Da programação desse ano constam painéis, debates, oficinas práticas, apresentação de casos de sucesso, além de oficinas paralelas entre equipes dos programas e projetos de inclusão digital presentes. A sociedade civil também vai consolidar um documento com propostas para a política pública de inclusão digital do país. "Achei a programação excelente. Tenho certeza que será um momento marcante para a inclusão digital no Brasil", avalia Zélia Victorino, gerente do/ CRC-Gama DF (www.crcgamadf.org.br).

A organização da Oficina também conta com a participação do Comitê Técnico de Inclusão Digital do Governo Federal e das seguintes entidades da sociedade civil: Sampa.org, RITS – Rede de Informações para o Terceiro Setor, Cidadania Digital, Coletivo Digital e Projeto Saúde & Alegria.
 
As inscrições para o maior evento de maior abrangência nacional nessa temática podem ser feitas gratuitamente pelo portal  http://oficina.inclusaodigital.gov.br.