Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Inclusão digital forma 30 jovens para o ingresso no mercado de trabalho

Notícias

Inclusão digital forma 30 jovens para o ingresso no mercado de trabalho

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 19/6/2007 - O Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC) do Gama, no Distrito Federal (DF), formou na última sexta-feira, dia 13, a primeira turma de jovens que atuou junto à unidade na recuperação de equipamentos de informática. Os CRCs integram o Projeto Computadores para Inclusão, coordenado pelo Ministério do Planejamento.

Os trinta formandos concluíram o Curso de Montagem e Configuração de Computadores e estão aptos a ingressar no mercado de trabalho. Eles podem prestar assistência técnica nessa área, atuar na instalação de softwares e montagem de rede de computadores, entre outras atividades.

Os alunos tiveram aulas de cidadania, de gerenciamento de projetos como montagem e manutenção de lan houses, administração de empresas de assistência técnica e aulas práticas de montagem e configuração de computadores.

Durante os seis meses de treinamento, que totalizou 520 horas de aula, os bolsistas recondicionaram 300 máquinas entre CPUs, monitores e impressoras. Desse número, 73 equipamentos já foram doados a iniciativas de inclusão digital do Distrito Federal, Goiás e Pará.

Os jovens receberam um salário de R$ 300,00 mensais pago pela Fundação Banco do Brasil que é uma das instituições parceiras do Ministério do Planejamento nesse projeto. O próximo passo, segundo o gerente geral do CRC Gama, Cleiber Castro, é montar uma cooperativa de trabalho com os alunos recém-formados.

Participar da primeira turma do Curso de Montagem e Configuração de Computadores do CRC do Gama significou a oportunidade de aprender uma nova profissão. É o caso de Leiliane Silva, 21 anos, que logo após ingressar no centro começou a trabalhar na Estação Digital da Fundação Banco do Brasil, que também funciona nas dependências da Afago.

“Até então não tinha conseguido nenhum emprego como esse, só tinha trabalhado como balconista e doméstica, atividades que infelizmente a sociedade tem preconceito – comemorou Leilane -- Agora me sinto qualificada para competir de igual para igual no mercado de trabalho que está cada vez mais competitivo.”

Adriana Moraes, 18 anos, também comemora a oportunidade oferecida pelo Centro. “Ao invés de estar na rua, o CRC me trouxe para cá para onde tive a chance de  aprender uma profissão”, contou.

O formando Pedro Henrique Lopes, de 19 anos, já faz planos para futuro e o seu sonho agora é tornar-se um empresário na área de informática. “É essa profissão que eu quero seguir a vida toda, ser um empresário e montar a minha própria lan-house”, relatou.


Leiliane, Pedro e Adriana

A satisfação de ingressar no CRC não se restringe aos alunos, mas estende-se também aos seus familiares. Satisfeita com a formatura da filha Viviane na última sexta-feira, Maria Nazaré da Costa, 43 anos, quer assegurar a mesma oportunidade para a filha mais nova de 15 anos: “É uma chance de ouro ter um currículo desses na mão”, disse.

Assim como Maria Nazaré, outras mães também compartilham deste desejo. Atualmente, 1,7 mil jovens da região aguardam uma vaga para ingressar no CRC do Gama.

Todos os jovens que concluíram a primeira turma do curso são de baixa renda e moram nas cidades-satélites do Gama, Santa Maria, Taguatinga, Recanto das Emas e Ceilândia.

Uma nova turma com oitenta e oito bolsistas já começou a receber as aulas teóricas no Centro que funciona na sede da Associação de Apoio a Família, ao Grupo e à Comunidade (Afago), também parceira da iniciativa no DF. Em breve iniciarão as atividades práticas na oficina de recondicionamento.

Rede nacional
A iniciativa integra o Projeto Computadores para Inclusão coordenado pelo Ministério do Planejamento que atua no recondicionamento de computadores descartados anualmente pelos órgãos governamentais e pela iniciativa privada para destiná-los a iniciativas de inclusão digital como telecentros, escolas e bibliotecas.

Até abril desse ano, nas unidades do Gama, Porto Alegre e Guarulhos o projeto recuperou 1.071 equipamentos de informática entre computadores, monitores e impressoras dos 7.348 recebidos.