Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Tecnologia da Informação > Notícias > Comunidade Brasil dá salto na inclusão digital

Notícias

Comunidade Brasil dá salto na inclusão digital

publicado:  16/04/2015 15h19, última modificação:  16/04/2015 15h19

Brasília, 25/10/2002O programa de inclusão digital ComUnidade Brasil, gerenciado pelo Comunidade Solidária e sob a coordenação técnica do programa Governo Eletrônico, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, inaugura, no dia 30 de outubro, em Santo Antônio de Leverger (Mato Grosso), o primeiro de uma série de tele-centros - salas comunitárias com acesso à rede mundial de computadores e aulas de "alfabetização" digital.

No mesmo dia será lançado o portal ComUnidade Brasil (www.comunidade-brasil.net). Com o projeto, o Governo Federal quer ampliar o acesso a novas tecnologias de informação e comunicação, como a Internet, às populações de baixa renda. Na fase piloto o Programa beneficiará outros três municípios do Comunidade Ativa no Mato Grosso (Chapada dos Guimarães, Jangada, Nossa Senhora do Livramento), e dois municípios do Plano de Integração de Ações Sociais de Prevenção Primária à Violência (Piaps), Várzea Grande e Cuiabá.

As unidades funcionarão em espaços cedidos pelas prefeituras, com equipamentos doados por empresas privadas e instituições não-governamentais. Os Fóruns de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável do Comunidade Ativa ficarão responsáveis pelo gerenciamento dos tele-centros, e já foi marcada a primeira atividade em Santo Antônio de Leverger: uma Oficina de Construção Coletiva do Modelo de Gestão de Tele-centros Comunitários, nos dias 27 e 28 de outubro.

Ludgério Monteiro, secretário-executivo do Programa Comunidade Solidária, afirma que a criação do ComUnidade Brasil atende a necessidade de informação da população brasileira. "A falta de acesso às informações é um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento das localidades mais pobres. Com o projeto, essas comunidades vão entrar em contato com os programas do Governo e outras ações que podem beneficiá-las, tornando-se menos isoladas", acredita ele.

O Secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que gerencia o Programa Governo Eletrônico, Solon Lemos Pinto, explica que uma das vantagens da utilização da tecnologia da informação é eliminar intermediários na relação entre o governo e o cidadão.

"A universalização do acesso às novas tecnologias da informação é um dos maiores desafios para o país. Daí o nosso apoio à iniciativa do ComUnidade Brasil, que, somada aos 3.500 conjuntos de equipamentos e instalações do Serviço de Atendimento ao Cidadão e outros milhares de pontos eletrônicos nas agências dos Correios, irá contribuir para diminuir o analfabetismo digital no Brasil", diz Solon.

Catherine Henry, diretora da Agência Eletrônica, empresa responsável pelo gerenciamento de comunicação e marketing e captação de parcerias, afirma que a própria comunidade beneficiada será a responsável pelo gerenciamento do projeto e pela definição das ações mais apropriadas às necessidades locais. Nos municípios integrantes do Comunidade Ativa a gestão das salas fica sob responsabilidade do Fórum de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável, como forma de garantir que o espaço seja usado democraticamente.

"A comunidade é quem decide o horário de funcionamento, as turmas e o período em que a população poderá usar as máquinas", adianta ela.

Brasil.net

O Portal ComUnidade Brasil (www.comunidade-brasil.net) irá disponibilizar na Internet os serviços do Governo Federal, cursos como Web-Aula, chats e notícias de outras comunidades inseridas no projeto. A idéia é que nos próximos meses seja formada uma rede de comunicação comunitária, a partir da produção de notícias de cada local.

As comunidades poderão construir seu próprio sítio dentro do Portal, onde divulgarão informações sobre sua produção cultural e folclórica, personalidades que contribuam para o desenvolvimento da região, parceiros e acontecimentos locais. O conteúdo dos sítios também será gerenciado pela comunidade.

O Comitê Nacional do projeto é composto pelo Programa Comunidade Ativa, do Comunidade Solidária; pela Secretaria Executiva do Governo Eletrônico do Ministério do Planejamento; pela Unesco (responsável pela coordenação de estudos de impacto de desenvolvimento nas localidades); pela Agência Eletrônica; pelo Programa Paz nas Escolas, da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Ministério da Justiça; e pelo Plano de Integração e Acompanhamento de Programas Sociais de Prevenção da Violência (Piaps), coordenado pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

O projeto conta, ainda, com a parceria da Intel, que doou os equipamentos para montagem do tele-centro (computador, escaner, impressora e servidor); da Microsoft (licença gratuita dos softwares); da Web-Aula, com a tecnologia de ensino à distância e adaptação do site para o formato do ComUnidade Brasil; da Planner, que disponibilizou as ferramentas de inteligência de Marketing de Relacionamento; da Caixa Econômica Federal, responsável pela remuneração dos monitores locais; do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), que dará apoio tecnológico aos tele-centros; da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara-e.net), na divulgação do projeto junto aos associados; da e-consulting, criadora do Portal; da ONG Moradia e Cidadania, com o apoio à mão-de-obra local; e da ONG Sampa.org, que fará treinamento para a formação da rede pública de comunicação e capacitação de gerenciamento dos fóruns locais.