Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Gestão > Notícias > Planejamento vai propor revisão de regras sobre terceirização de serviços no governo

Notícias

Planejamento vai propor revisão de regras sobre terceirização de serviços no governo

Maior detalhamento na fase do planejamento das contratações de fornecedores será a principal mudança

publicado:  13/09/2016 00h00, última modificação:  16/09/2016 17h57

Com o objetivo de promover melhorias na contratação de serviços e discutir práticas de governança, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) divulgou na terça-feira (13), linhas gerais da revisão regras sobre contratação de serviços terceirizados na Administração Pública federal, direta, autárquica e fundacional.

Foto: Gleice Mere/Ministério do Planejamento 

A proposta foi apresentada no evento “Diálogo Público: Governança e Gestão das Aquisições Públicas”, realizado Tribunal de Contas da União (TCU).

As novas regras fazem parte da proposta de revisão da Instrução Normativa (IN) Nº 2, publicada em 2008. A norma será reformulada para atender a inovações do mercado e determinar regras para diversos serviços que podem vir a ser contratados pelo governo federal (além de limpeza e vigilância, contratados atualmente).

Para atualizar a IN, foram realizados workshops com órgãos do Executivo Federal e uma consulta pública sobre o tema, que recebeu mais de 800 contribuições.

TEXTO FINAL

A partir dessas sugestões, o texto final da norma será estruturado com propostas de inovações, como fase de planejamento das contratações mais detalhada, instrumentos de medição de resultado, soluções tecnológicas na prestação serviços e pagamento por fato gerador (apenas das despesas executadas).

Segundo o secretário de Gestão do MP, Gleisson Rubin, a Instrução Normativa Nº 2, de 2008, sofreu uma série de alterações ao longo dos anos, mas sem uma reformulação estrutural. “O intuito é corrigir distorções em algumas regras, que não mais se adequam às necessidades atuais”, disse.  

A norma flexibilizará as metrificações utilizadas atualmente. Existirá um referencial mínimo para ser utilizado, mas não mais uma métrica única, como a utilizada na contratação de serviços de limpeza. “O novo modelo será mais gerencial. A norma dará segurança ao gestor para que ele possa adequar a sua contratação à especificidade do seu órgão, dentro da previsão legal”, completou.

A nova Instrução Normativa tem previsão para ser publicada até dezembro de 2016.