Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Gestão > Notícias > Ministro do Planejamento abrirá congresso do Clad em Salvador

Notícias

Ministro do Planejamento abrirá congresso do Clad em Salvador

publicado:  07/04/2015 15h24, última modificação:  07/04/2015 15h24

21/10/2009 - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, abrirá na próxima terça-feira, em Salvador, o 14º Congresso Internacional do Clad, o Centro Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento. O encontro, que tem como anfitrião o Governo do Estado da Bahia, levará à capital baiana ministros e secretários de Estado dos 22 países-membros do Clad.

Realizados anualmente, esses encontros são considerados os mais importantes da América Latina para apresentar e discutir experiências e estudos sobre reforma do Estado e da Administração Pública.

São esperados para os quatro dias do encontro – de terça até sexta-feira, 30 – cerca de duas mil pessoas, entre elas parlamentares, pesquisadores e professores universitários, consultores, instituições especializadas, representantes do governo e líderes sindicais dos países latino-americanos.

O Hotel Pestana (Rio Vermelho), local onde se realizará o congresso, disponibilizará 11 salas para as solenidades e apresentações. Serão mais de 130 painéis, além de três conferências em plenárias. Entre as atividades especiais, haverá apresentações de posters, de publicações, serviços e ainda a premiação dos ganhadores do 22º Concurso do Clad, “La Participacíon de los Ciudadanos en la Gestión Pública.

A participação brasileira nos debates do Clad abrangerá representantes de órgãos de governo, universidades, iniciativa privada e terceiro setor. Do Governo Federal estão inscritos 25 órgãos, entre ministérios e agências reguladoras.

O Ministério do Planejamento (MP) é o mais presente em painéis. Serão cinco da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI), cinco da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), quatro da Secretaria de Gestão (Seges), um da Secretaria de Recursos Humanos (SRH), um da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), um da Secretaria do Orçamento Federal (SOF) e um da Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos (SPI).

Do total de painéis inscritos, 94 serão internacionais e, desses, 39 multinacionais, com a participação de dois países ou mais. Os outros 55 internacionais terão um país por painel (veja o programa completo em http://www.clad.org.ve/congreso-clad/programa-sintetico-general).

O secretário de Gestão do MP e coordenador do painel sobre gestão pública na América Latina, Marcelo Viana, se mostra empolgado com a participação brasileira. Para ele o congresso será “uma oportunidade de mostrar para todos os países da Iberoamérica a ampla agenda de inovação em políticas públicas e em gestão governamental adotada pelo Governo Lula.

Histórico

Os encontros do Clad começaram a ser realizados em 1996. Em novembro daquele ano, a cidade do Rio de Janeiro foi sede do “I Congresso Interamericano do Clad sobre a Reforma do Estado e da Administração Pública".

Nessa primeira edição, o evento contou com cerca de 700 participantes da América Latina e Europa, 86 painéis e ainda três conferências em plenárias. Nos anos seguintes, o congresso esteve presente em diversos países, como Espanha, Portugal, Argentina e Chile.

O que é o Clad

O Centro Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento é um organismo público internacional. Foi constituído em 1972 por iniciativa dos governos do México, Peru e Venezuela.

Sua criação foi recomendada pela Assembléia Geral das Nações Unidas (Resolução 2802 - XXVI), com o propósito de criar uma entidade regional que tem como raiz de suas atividades a modernização da administração pública, um fator estratégico no processo de desenvolvimento econômico e social.

Sua missão é promover a discussão e a troca de experiências e conhecimentos sobre a reforma do Estado e modernização da administração pública, organizando reuniões internacionais especializadas, publicando obras, prestando serviços de documentação e informação, realizando estudos e implementando a cooperação técnica entre seus países membros e de outras regiões.