Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Empresas Estatais > Notícias > Estatais mantêm ritmo de execução orçamentária

Notícias

Estatais mantêm ritmo de execução orçamentária

publicado:  01/06/2011 10h25, última modificação:  13/07/2015 17h26

Brasília, 1/6/2011 – A execução bimestral do Orçamento de Investimento das Empresas Estatais aponta mais uma vez para o desempenho de execução das estatais federais, conforme registra a portaria nº17 – publicada hoje no Diário Oficial da União pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento (Dest/MP).

Até o segundo bimestre de 2011, verifica-se que, do limite de 107,9 bilhões autorizados no orçamento de investimento para 2011, as estatais federais apresentaram um desempenho de 20,9% – que é muito próximo ao do mesmo período do ano passado (24,4%).

A execução orçamentária dos setores elétrico e financeiro apresentou performance superior em relação ao segundo bimestre de 2010, quando exibiram coeficiente de execução de 15,7% e 14,2%, respectivamente, contra os percentuais de 13,1% e 13,8% do ano anterior. 

Na comparação entre o executado no primeiro e no segundo bimestres, observa-se que as empresas estatais vêm praticamente mantendo o ritmo de execução. Assim, no primeiro bimestre, o desempenho foi 10,2% em relação ao limite autorizado e, no segundo bimestre, de 10,7%.

As empresas do Grupo Petrobrás respondem por algo em torno de 85% do volume de recursos autorizado no orçamento de investimento. Ainda assim, excluído o Grupo Petrobrás da análise, nota-se que as empresas do setor financeiro, do Grupo Eletrobrás, das demais empresas do setor público estatal e as companhias docas executaram, no conjunto, 12,8%, do limite autorizado (R$16,6  bilhões).

Grupo Eletrobrás, por exemplo, já executou 15,7% do limite autorizado (R$ 8,2 bilhões) até abril deste ano. Dentro desse grupo, destaca-se a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica, cujo desempenho atingiu 41,6% do volume de recursos orçados, aplicados, principalmente, na implantação da Usina Termelétrica Candiota III (Rio Grande do Sul), na manutenção de Sistema de Geração de Energia Elétrica na Região Sul e na revitalização da Usina Termoelétrica Presidente Médici (também no RS).

Já dentre as companhias docas, merece destaque a Companhia Docas do Rio Grande do Norte, que executou 33,2% do limite anual.

O setor financeiro apresentou um desempenho de 14,2%, sendo que o IRB-Brasil Re já executou até abril 36% do limite autorizado.