Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Assuntos Internacionais > Notícias > Brasil participa de encontro do Banco de Desenvolvimento do Caribe

Notícias

Brasil participa de encontro do Banco de Desenvolvimento do Caribe

Esta é a primeira vez que o país participa do encontro como membro da instituição financeira

publicado:  19/05/2016 16h08, última modificação:  19/05/2016 16h48
 
 
O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento Desenvolvimento e Gestão, Rodrigo Estrela, foi recebido, nesta quarta-feira (18), na 46ª Reunião Anual da Assembleia de Governadores do Banco de Desenvolvimento do Caribe, realizada em Montego Bay, na Jamaica.
 
Esta é a primeira vez que o Brasil participa do encontro como membro regional. A participação brasileira no banco sinaliza o interesse do país nas relações comerciais na região e possibilita que empresas brasileiras possam participar de licitações de projetos realizados na região. Para Estrela, a região do Caribe enfrenta desafios consideráveis e o banco deve continuar com esforços para fortalecer a capacidade de assistência aos países membros no enfrentamento de seus problemas socioeconômicos e de infraestrutura.
 
Membro Regional
 
O Banco de Desenvolvimento do Caribe é uma instituição financeira regional criada em 1969 e integrada por países e territórios da região que promove a cooperação e a integração por meio do financiamento de projetos de desenvolvimento econômico voltados à diminuição da pobreza. Entre os países beneficiados estão o Haiti, a Jamaica e o Suriname.
 
Em 2010, durante a I Cúpula Brasil–Comunidade do Caribe, realizada em Brasília, o governo brasileiro assumiu o compromisso de participar do banco como membro regional, não tomador de recursos e com direito a voto. Essa participação institucional é semelhante à da Colômbia e do México. Alemanha, Itália, Reino Unido, Canadá e China também são sócios extrarregionais não tomadores de recursos.
 
Para ser habilitado como país membro, foi necessária aprovação do Instrumento de Adesão pelo Congresso Nacional, tramitação formalizada no final de 2015, e o aporte de capital para o banco no valor de cerca de US$ 1,2 milhão.