Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Assuntos Econômicos > Notícias > Reformas estruturais abrem espaço para melhores resultados fiscais no longo prazo

Notícias

Reformas estruturais abrem espaço para melhores resultados fiscais no longo prazo

Equilíbrio fiscal foi debatido em seminário do Ipea: Agenda Estratégica para o Brasil

publicado:  30/09/2015 19h49, última modificação:  01/10/2015 11h44

A agenda fiscal brasileira entrou em uma nova etapa na qual as reformas estruturais, ligadas a despesas obrigatórias da União e a revisão de gastos tributários e desonerações, poderão abrir espaço para a melhoria dos resultados no longo prazo, avaliou o chefe da Assessoria de Assuntos Econômicos (Assec) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), Manoel Pires, no seminário Agenda Estratégica para o Brasil, promovido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Manoel Pires destacou a revisão de diversos programas federais, como os relacionados a políticas de emprego e previdência, cujos resultados são de longo prazo. Recentemente, foram realizadas mudanças no seguro-desemprego, no abono salarial, nas pensões por morte, no auxílio-doença, entre outros. “Também houve revisão do Fies, que resultou em um novo modelo de coparticipação. Famílias com maior renda têm, consequentemente, maior capacidade de pagamento e de coparticipação”, exemplificou.

Por outro lado, Pires mostrou que, apesar do esforço feito pelo governo para diminuir gastos, entre 2014 e 2015, houve crescimento das despesas vinculadas à Previdência, assistência social e gastos com pessoal. Um dos pontos colocados no debate foi a idade média de 57 anos para a aposentadoria no Brasil, considerada baixa frente à média nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que é de 64 anos.

O assessor lembrou ainda que, em 2015, o governo já adotou várias medidas para melhorar o resultado fiscal. O esforço realizado no acumulado do ano chega a R$ 134 bilhões, o que representa 2,31% do PIB. Desse total, R$ 82 bilhões são referentes a despesas discricionárias, R$ 26 bilhões de despesas obrigatórias, R$ 21,5 bilhões de revisão das desonerações, R$ 3 bilhões de elevação de receitas e R$ 1,5 bilhão da atualização monetária de tarifas. “Mas o efeito cíclico das receitas dificulta um ajuste mais rápido”, frisou.

Pires mencionou que, no último dia 28, o MP lançou um boletim sobre despesas de custeio administrativo, que revela queda de 7,5% com gastos dessa natureza no último ano. “Não faremos ajuste fiscal apenas com redução de custeio, tendo em vista que essas despesas correspondem a apenas 3% das despesas do governo”, ressalvou.

A Agenda Estratégica para o Brasil é uma iniciativa do Ipea para contribuir com o debate público e o aprimoramento das políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro. Também participaram do debate sobre equilíbrio fiscal o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, Cláudio Hamilton dos Santos, o professor da Fundação Getúlio Vargas, Samuel Pessoa, a professora da Universidade Federal de Uberlândia, Vanessa Petrelli Corrêa, e o diretor-adjunto de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, Marco Cavalcanti.